Prevenção da taxoplasmose na gestação

Esta é uma doença pouco falada pela população em geral, mas de grande impacto social, visto que, quando contraída na gestação pode atingir o feto, causando deficiência visual, auditiva e/ou neurológica desta futura criança. Pensando nos cuidados especiais de uma criança deficiente e nas dificuldades de inclusão social destas e dos futuros adultos, temos um grave problema de saúde pública. Vamos então comentar sobre a doença e suas formas de prevenção.

É uma infeção causada por um protozoário chamado Toxoplasma gondii. Durante a gestação o protozoário pode atravessar a placenta e se instalar no cérebro, olho e ouvido do feto, lesando sua arquitetura em formação. Ele é capaz de invadir e se multiplicar no interior de quase todos os tipos celulares de vertebrados.

O T.gondii é muito difundido na natureza, permanece ativo e infectante nos gatos (fezes), músculos do boi, aves e ovos.

Portanto ele pode ser transmitido de três formas:
· Comer carnes cruas ou malpassadas contendo cistos do Toxoplasma gondii.
· Ingerir oocistos infectantes presentes no solo, água e/ou consumo de frutas, legumes ou vegetais.
· Transfusões sanguíneas.

O risco do feto se contaminar é mais raro quanto mais nova for a gestação, porém mais grave. Se a infeção materna é adquirida na gestação inicial, ela pode levar ao abortamento, ou doença fetal grave. Quando ocorre na gestação tardia, o resultado é o parto de um recém-nascido assintomático, e que pode apresentar seqüelas tardias.

Vale a pena ressaltar a importância do rastreio da toxoplasmose durante o Pré-Natal.

A realização de testes sorológicos, no sangue das gestantes, revela o perfil de risco materno. A infeção aguda pode ser diagnosticada e tratada contendo os danos ao feto. Se ela apresentar imunidade está livre de riscos. O diagnóstico das gestantes com risco de contágio leva a orientação de cuidados em higiene e alimentação.

A orientação das gestantes suscetíveis à toxoplasmose pode ser da forma:
· Evitar contato com gatos, caso os possua, adotar medidas a fim de evitar infecção dos animais, mantendo-os bem alimentados para não caçar. Não alimentá-los com carne crua e evitar que saiam à rua. Se possuir caixa de areia, deve-se utilizar luvas para sua higiene, expondo-a ao sol sempre que possível.
· Usar luvas se manipular terra (jardinagem).
· Retirar a casca das frutas e legumes, ou lavar com água e sabão enxaguando bem antes do consumo;
· Lavar verduras, colocar de molho em soluções de higienização.
· Lavar as mãos antes e depois da manipulação de frutas, verduras e legumes.
· Controlar moscas, baratas e ratos.
· Cozinhar bem a carne, lavar as mãos após sua manipulação e evitar passar as mãos sujas de carne crua nos olhos e boca;
· Nunca ingerir carnes mal-passadas, frango, coração ou ovos crus.
Converse sobre o assunto no seu pré-natal. Fonte: O Buziano